Início Artigos Tatuagem: descarte de resíduos de estúdios merece atenção

Tatuagem: descarte de resíduos de estúdios merece atenção

por Tito Martins
91 visualizações

O destino final dos Resíduos de Serviço de Saúde (RSS) representa um dos grandes problemas de saúde, preocupando cada vez mais a opinião pública e as lideranças políticas. A problemática gira em torno da disposição inadequada desses RSS que podem causar danos ao meio ambiente em relação à possibilidade de contaminação de lençóis freáticos e à proliferação de doenças através da transmissão por vetores. A manipulação dos resíduos perfuro-cortantes com materiais biológicos pode causar acidentes levando à contaminação dos profissionais envolvidos no processo, bem como da população, caso os RSS estejam mal acondicionados e tenham um destino final inadequado. Os estúdios de tatuagem, por exemplo, são locais que devem seguir as normas de higiene e segurança exigidos no manuseio dos resíduos.

Na prática, todo o material não deve ir para o lixo comum, colocando em risco lixeiros e catadores. Os estabelecimentos devem manter um ambiente para armazenamento interno com as devidas precauções. Entretanto, alguns estúdios de tatuagem não contam com a coleta externa de seus resíduos e acabam depositando seus detritos normalmente no caminhão tradicional da companhia de lixo urbano. A manipulação dos resíduos provenientes do trabalho devem ocorrer de acordo com o exigido pela legislação (utilizando os recipientes aconselhados pela NBR 13853).

Segundo o especialista em RSS, Felipe Melo, é necessário que os estabelecimentos contratem um serviço especial de coleta destinado, essencialmente, a resíduos do serviço de saúde para evitar que esses detritos sejam descartados como lixo comum.  “É corriqueiro encontrar seringas e agulhas descartadas como lixo comum, quando na verdade deveriam ser considerados lixo hospitalar. Isto é um perigo para a saúde pública.

Coletores de lixo e catadores de aterros sanitários, por exemplo, podem se ferir com algum objeto perfurocortantes. Um inimigo invisível e silencioso”, alerta o especialista.

Órgãos como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária e o Conselho Nacional do Meio Ambiente têm assumido o papel de orientar, definir regras e regular a conduta dos diferentes agentes, no que se refere à geração e ao manejo dos RSS, com o objetivo de preservar a saúde e o meio ambiente, garantindo a sua sustentabilidade. Um marco deste esforço foi a publicação da Resolução CONAMA 05/93, que definiu a obrigatoriedade dos serviços de saúde elaborarem o Plano de Gerenciamento de seus resíduos.

“Geralmente, as pessoas que trabalham nesse ramo têm pouco conhecimento sobre a composição dos seus resíduos e que o modelo de Gestão Avançada de RSS deve ser rapidamente implantado para que se possam evitar os agravantes relacionados aos resíduos, tanto em termos ambientais quanto em saúde pública. A segregação eficiente com a implantação da Gestão Avançada reduziria a quantidade gerada de RSS, promoveria sua correta disposição final e permitiria que se evitasse a contaminação dos resíduos comuns”, finalizou Felipe Melo.

Você pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ver Mais

Política de Privacidade e Cookies