Tatuagens extraídas de cadáveres na Polônia são tema de ensaio fotográfico

by Ana Leardine
0 comment

Carvão, giz de cera, cortiça ou borracha queimada serviram de tinta; alfinetes, lâminas de barbear, clips de papel e fragmentos de vidro foram usados como ferramentas para gravar os desenhos na pele. O olhar da fotógrafa polonesa Katarzyna Mirczak foi atraído pela crueza de tatuagens extraídas dos corpos de prisioneiros mortos em unidades penitenciárias do país europeu. Os desenhos integram o arquivo do Departamento de Medicina Forense da Universidade Jagiellonian, na Cracóvia.

Eróticas, religiosas ou abstratas, as imagens  têm em comum o plano de fundo: todas são conservadas sobre pedaços de pele dos cadáveres de onde foram extraídas. As amostras são mantidas em solução semelhante ao formol e embaladas em recipientes de vidro. As imagens de Mirczak foram divulgadas pelo site foto8, especializado em fotojornalismo.

A coleção de fotos produzidas por Katarzyna revela que as inspirações transitam desde figuras femininas como mulheres ou sereias até manifestações de fé. Também há espaço para retratos mal-traçados de pessoas ou animais ferozes, mas a maioria das tatuagens registradas simula situações sexuais ou sensuais.

Você pode gostar

Leave a Comment

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ver Mais

Enable Notifications    OK No thanks